Seg. à sex. das 9h às 19h / Sábado das 9h às 13h

Finasterida: heroína ou vilã?

 

Essa substância atua na inibição da 5-alfa-redutase tipo 2, que é uma enzima que transforma uma Testosterona, principal hormônio masculino, em Diidrotestosterona, principal hormônio masculino circulante.

A grande duvida e maior preocupação do paciente sobre o uso da finasterida está relacionada a questões sexuais. Estudos realizados ao longo do tempo mostram a finasterida pode causar os seguintes efeitos colaterais:

- 1,8% - diminuição de libido (apetite sexual), o que é diferente de impotência sexual, como muitos podem confundir.
- 1,3% - disfunção erétil
- 0,8% - diminuição do volume ejaculatório (do sêmen)

Mas a International Society of Hair Restoration Surgery (ISHRS) – Sociedade Internacional de Cirurgia de Restauração Capilar, em tradução livre –, atesta que não existem dados baseados em evidências, do ponto de vista científico, que justifiquem o vínculo entre a finasterida e persistentes efeitos colaterais sexuais após o uso da droga, apesar do alerta da comunidade científica geral.


Tratamento:
O tratamento com a finasterida é de longo prazo e que, se for interrompido, os resultados alcançados, serão revertidos após cerca de 8 a 10 meses sem medicação, ou seja, esse é um tratamento contínuo, sem pausas.

Contra indicações:
Para mulheres em idade fértil, trata-se de medicação de alto risco na gravidez, podendo acarretar feminilização fetal se o bebê for do sexo masculino. Sendo assim, deve haver o compromisso de adoção de medidas contraceptivas, com a assinatura de um termo de compromisso, por parte da paciente em idade fértil que utiliza finasterida. Por essa razão, é contraindicada a doação de sangue aos pacientes em uso de finasterida.

A legislação antidoping proíbe o uso da finasterida devido seu efeito contra o hormônio masculino. Além disso, seu uso deve ser evitado em pacientes com história de câncer de mama e controle de PSA sérico (Antígeno Prostático Específico, substancia produzida por células da glândula prostática sem diagnóstico de câncer de prótese) desenvolvido com nossos usuários de finasterida.

Riscos X Benefícios
Conclui-se com os estudos reportados até o momento indicam informação insuficiente a respeito do perfil de segurança da finasterida sem tratamento da calvície masculina. Com isso, uma série de perguntas sobre uma segurança de seu uso.
Outros estudos são bem-vindos e aumentados da malignidade do câncer de próstata, o aumento da incidência de câncer de mama no sexo masculino, uma manutenção dos efeitos colaterais relacionados à disfunção erétil persistente e também a relação com a depressão. Em relação à depressão, por esta uma relação importante entre uma redução dos níveis de 5-alfa-redutase causada por Finasterida ea redução dos nossos níveis de neuroesteroides, os quais regulam a ansiedade eo sono e tem ação antidepressiva, osso predispostos, pode ocorrer sim, um aumento da queixa de depressão. Ainda não é conhecido pelo certo a porcentagem de efeitos e seu grau de comprometimento, mas agora uma comunidade médica está cada vez mais atenta a isso.

Há estudos relatando os benefícios terapêuticos com doses menores do que 1 mg ao dia (0,25 mg e 0,5 mg ao dia) em pacientes masculinos com alopecia androgenética, portanto, para alguns pacientes que se queixam de efeitos colaterais com uma dose de 1 mg, podem ser prescritas doses menores, com drástica diminuição dos efeitos colaterais na maioria dos casos.


Finasterida e Fertilidade
Há poucas alternativas aplicáveis ​​a finasterida, entretanto, o paciente deve estar ciente dos potenciais efeitos colaterais que ainda estão sob investigação.
Caso ainda não é um dos filhos, é preconizado realizar um exame de esperamento prévio ao início da medicação.
O tratamento com um finasterida, assim como outros tratamentos, só pode ser prescrito pelo médico, lembrando o médico médico dermatologista e especialista em cuidar dos cabelos.

Consulte seu dermatologista e saiba mais sobre o uso da finasterida.

Ligue e Agende: +55 (11) 3071 - 4114 / 3774 - 1072


Newsletter

Receba novidades e atualizações da Clínica Bloch

Clínica Dra. Leila | Transplante Capilar | Tratamento Capilar | Blog | Na Mídia | Qual o seu problema? | Contato


R. Joaquim Floriano, 72 cj 37 Itaim Bibi | São Paulo

Resp. Técnica: Leila David Bloch - CRM-SP:108.287/RQE no 27362 RESOLUCÃO CFM 1974/11

(11) 3071-4114
(11) 3774-1072
(11) 2501-5154

 

Agendar

Qual o seu problema?

Dúvidas Frequentes

Dra. Leila na Mídia